Prêmios

Os prêmios são objetos de desejo de quase todo criador e produtor de atividades que promovam a valorização de um fazer. No caso da leitura, ao longo das últimas décadas, vários prêmios foram criados em reconhecimento a artistas e profissionais no incentivo ao ato de ler e à qualidade da produção do livro e similares. Começamos a recolher e disponibilizar os identificados.

 O iiLer/Cátedra visa premiar distinguíveis iniciativas em práticas leitoras, entendendo-se por este conceito ações de promoção da leitura em iniciativas públicas e/ou privadas em espaços diversos, em múltiplas linguagens e em quaisquer suportes. O prêmio terá duas subcategorias:

Oralidade – Obras que valorizem a arte de contar histórias na promoção da leitura.

Mediação – Obras que relatem/apresentem ações de formação de mediadores e seus desdobramentos em diferentes espaços como escolas, bibliotecas, museus etc.

Edital 2018

Inscreva-se

1.TÍTULO

                                 PRÊMIO VIVALEITURA (2005)

 2.DESCRIÇÃO

Instituição:   O Prêmio Vivaleitura foi criado por meio da Portaria Interministerial nº 214, de 23 de novembro de 2005, do Ministério da Cultura e do Ministério da Educação. Segundo a Portaria Interministerial MEC/MinC nº 04, de 22 de outubro de 2014,  conta com a parceria da Organização dos Estados Ibero-americanos para Educação, a Ciência e a Cultura (OEI) e o apoio do Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED), da União dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) e da Fundação Santillana. O Prêmio VIVALEITURA integra as ações do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) instituído por meio da Portaria Interministerial Nº 1.442, de 10 de agosto de 2006, pelos ministros da Cultura e da Educação.

Objetivos:  O Prêmio Viva Leitura tem como objetivo estimular, fomentar e reconhecer as melhores experiências que promovam a leitura.

Ações: O Prêmio VIVALEITURA seleciona os melhores projetos de leitura nas seguintes categorias: 1) Biblioteca Viva; 2) Escola Promotora de Leitura; 3) Território da Leitura; e 4) Cidadão Promotor de Leitura (pessoa física), que desenvolvam trabalhos na área de leitura. Em cada categoria, os vencedores recebem um prêmio no valor de R$ 25 mil. Um dos destaques do prêmio é a menção honrosa José Mindlin, que, a cada ano, reconhece iniciativas que se destaquem por seu impacto e abrangência.

 

3.DESENVOLVIMENTO

Data de início: 2005/data de término: indeterminada.

Etapa de desenvolvimento: Em execução em todo o País.

 

4.REFERÊNCIAS

PNLL – Plano Nacional do Livro e Leitura: textos e história/ José Castilho Marques Neto (org). São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2010.

 

5.LINKS

http://www.premiovivaleitura.org.br/

     www.cultura.gov.br/pnll

https://issuu.com/sbpdf/docs/guia_plano_nacional_do_livro_e_leitura

 

6.OUTROS

O Prêmio –  criado em 2016 e promovido pelo Instituto Pró-Livro – IPL – conta com o patrocínio e com o apoio das entidades do livro Abrelivros, CBL e SNEL, que são fundadoras e mantenedoras do IPL.

O IPL, uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), sem fins lucrativos, criada em 2006, adotou como missão transformar o Brasil em um país de leitores, promovendo ações de fomento à leitura e difusão do livro.

Ao promover o Prêmio IPL – Retratos da Leitura, o Instituto Pró-Livro espera ampliar e consolidar sua atuação, reconhecida, especialmente, pela promoção da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil.

Clique aqui para ir direto ao site do IPL

 

 

A recepção, leitura e avaliação dos livros de LIJ que nos chegam a cada ano fica sob a responsabilidade do grupo de estudos GELIJ, registrado no CNPq, que reúne pesquisadores e especialistas em literatura infantil e juvenil. Seu trabalho abarca a indicação dos livros de qualidade e excelência para receberem os Selos Cátedra.

Conheça os premiados de 2017!

Clique aqui e saiba mais!

Em 1975, a FNLIJ iniciou a sua premiação anual, com o Prêmio FNLIJ – O Melhor para Criança, distinção máxima concedida aos melhores livros infantis e juvenis, que hoje conta com diversas categorias: Criança, Jovem, Imagem, Informativo, Poesia, Livro Brinquedo, Teatro, Teórico, Reconto, Literatura em Língua Portuguesa, Tradução/Adaptação Criança, Tradução/Adaptação Jovem, Tradução/Adaptação Informativo, Tradução/Adaptação Reconto, Revelação Escritor, Revelação Ilustrador, Melhor Ilustração e Projeto Editorial.

A FNLIJ concedeu Prêmios Especiais, em 1997, 1998 e 1999, a obras em nova edição de autores falecidos (Carlos Drummond de Andrade e Rubem Braga) e a obras de coleções anteriormente premiadas.

Desde 1992, a FNLIJ criou o Hors Concours para cada prêmio, a fim de estimular novos escritores e ilustradores. Ele ocorre quando o mais votado na categoria já ganhou pelo menos três vezes o Prêmio FNLIJ como escritor ou ilustrador.

Veja as obras premiadas FNLIJ:

http://www.fnlij.org.br/site/premio-fnlij.html

A história do Prêmio Jabuti começa por volta de 1958, em um período repleto de desafios para o mercado editorial, com recursos escassos e baixa articulação do segmento. Apesar das adversidades, não faltava entusiasmo aos dirigentes da Câmara Brasileira do Livro. As discussões foram comandadas pelo então presidente da entidade, Edgar Cavalheiro, e pelo secretário Mário da Silva Brito – intelectuais e estudiosos da literatura brasileira –, além de outros membros da diretoria do biênio 1955-1957 interessados em premiar autores, editores, ilustradores, gráficos e livreiros que mais se destacassem a cada ano.

Essas discussões em torno de uma “láurea” ou “galardão”, como se dizia na época, ganharam forma na diretoria seguinte, de 1957-1959, presidida por Diaulas Riedel, a quem coube a confirmação da escolha da figura do jabuti para nomear o prêmio e a realização de concurso para a confecção da estatueta, vencido pelo escultor Bernardo Cid de Souza Pinto.

A primeira premiação ocorreu também na gestão do presidente Diaulas Riedel. No final do ano de 1959, em solenidade simples e despretensiosa realizada no auditório da antiga sede da CBL, na Avenida Ipiranga, foi feita a entrega do 1º Prêmio Jabuti. Foram laureados autores como Jorge Amado, na categoria Romance, pela obra “Gabriela, Cravo e Canela”. A Saraiva ganhou o prêmio de Editor do Ano.

O maior diferencial em relação a outros prêmios é a sua abrangência: além de valorizar escritores, o prêmio destaca a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de um livro.

Anualmente, editoras dos mais diversos segmentos e escritores independentes de todo o Brasil inscrevem suas obras em busca da tão cobiçada estatueta e do reconhecimento que ela proporciona. Receber o Jabuti é um desejo acalentado por todos aqueles que têm o livro como seu ideal de vida.

É uma distinção que dá ao seu ganhador muito mais do que uma recompensa financeira. Ganhar o Jabuti representa dar à obra vencedora o lastro da comunidade intelectual brasileira, significa ser admitido em uma seleção de notáveis da literatura nacional.

Visite a página do Prêmio

Revelar novos talentos e promover a literatura nacional são propósitos do Prêmio Sesc de Literatura. Lançado pelo Sesc em 2003, o concurso identifica escritores inéditos, cujas obras possuam qualidade literária para edição e circulação nacional. Além de incluir os autores em programações literárias do Sesc, o Prêmio também abre uma porta do mercado editorial aos estreantes: os livros vencedores são publicados pela editora Record e distribuídos para toda a rede de bibliotecas e salas de leitura do Sesc em todo o país. Mais do que oferecer uma oportunidade a novos escritores, o Prêmio Sesc de Literatura cumpre um importante papel na área cultural, proporcionando uma renovação no panorama literário brasileiro.

Visite a página do Prêmio

A Academia Brasileira de Letras contempla escritores de diferentes gêneros literários, concedendo prêmios que objetivam cumprir a missão de estimular as manifestações culturais nos seus mais variados aspectos.

A Academia Brasileira de Letras iniciou a concessão de Prêmios Literários em 1909, quando nomeou, atendendo ao convite do Prefeito do Distrito Federal, uma comissão para julgar, anualmente, o concurso de peças brasileiras destinadas à representação no Teatro Municipal. Nos anos seguintes, outros Prêmios foram criados, tais como o Medeiros e Albuquerque (1910), o “Gazeta de Notícias” (1910), o Machado de Assis (1911), o Raul Pompéia (1911) e o Prêmio Academia Brasileira (1912).

Até 1994, a ABL distribuiu os seguintes Prêmios: Olavo Bilac (poesia); José Veríssimo (ensaio e erudição); Monteiro Lobato (literatura infantil); Francisco Alves (monografia sobre o ensino fundamental no Brasil e sobre a língua portuguesa); Assis Chateaubriand (artigos literários); Afonso Arinos (contos); Artur Azevedo (teatro); Silvio Romero (crítica e história literária); Coelho Neto (romance); Joaquim Nabuco (história social); João Ribeiro (filologia, etnografia e folclore); José de Alencar (novelas); Odorico Mendes (tradução); Aníbal Freire (oratória); Carlos de Laet (crônicas e viagem); Roquete-Pinto (etnografia); Alfred Jurzykowski (economia e política).

Na sessão de 19 de março de 1998, o Acadêmico Lêdo Ivo apresentou proposta de alteração do Regimento Interno, com relação aos prêmios literários da Academia. Pela reforma regimental aprovada em 10 de outubro de 1998, art.53, passaram a ser concedidos, todos os anos, o Prêmio Machado de Assis, para conjunto de obras, o Prêmio ABL de Poesia, o Prêmio ABL de Ficção, o Prêmio ABL de Ensaio e o Prêmio ABL de Literatura Infanto-juvenil. Recentemente foram criados os Prêmios ABL de Tradução e ABL de História e Ciências Sociais.

A Academia distribui também prêmios de outra periodicidade, como o Francisco Alves, concedido a cada cinco anos a monografias sobre o ensino fundamental no Brasil e sobre a língua portuguesa, e também prêmios oriundos de dotações externas, como o Prêmio Senador José Ermírio de Moraes, instituído pela família Ermírio de Moraes e pela Indústrias Votorantim, desde 1995, e o Prêmio Osvaldo Orico, sobre temas amazônicos, instituído pela família de Osvaldo Orico, vigente de 1983 a 1990.

São concedidos, esporadicamente, pela ABL prêmios comemorativos, aprovados em plenário, como o José Lins do Rego em 2001, e o Afonso Arinos em 2005.

Visite a página e conheça os prêmios ABL

CONTACT US

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

© 2016 iiLer/Cátedra Unesco de Leitura PUC-Rio Todos os direitos Reservados

Webmaster responsável: Viviane Moreira

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?